Bleach Portugal RPG
Bem-vindo ao Bleach Portugal RPG! Se pretendes aceder ao fórum, faz Login ou Regista-te, se ainda não fizeres parte da comunidade então faz agora!


O melhor RPG de Bleach em Portugal!
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Bru
A Gillian
A Gillian
avatar

Mensagens : 18
Idade : 30
Missões realizadas :
0 / 1000 / 100
Data de inscrição : 20/09/2009

Ficha de Personagem
Nome: Black Rose
Disponibilidade:
Yen:

MensagemAssunto: Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.   Seg Fev 21, 2011 5:33 pm

(Continuação da Parte I)

Tia Ana... Tia Ana... - um Adrian preocupado dirigia a palavra para Ana, e a segurava no pequeno colo de criança; Ana, que estava desmaiada devido ao grande desgaste emocional e físico da batalha anterior ainda parecia inconsciente.
Por favor, volte à si! - e acariciava a face dela – Você é a única em que posso contar aqui neste mundo de areia...

Adrian pensava para si na grande coincidência de ter conhecido Ana. Encontrava-se perdido pelo mundo vazio de areia, o Hueco Mundo, e acabou por avistar aquela figura assustadora e doce que chamava-se Ana. A princípio, ele pensou tratar-se de uma brincadeira de um hollow com a capacidade de modificar seu corpo, mas conforme desenrolar da conversa com Ana, ele percebeu que se tratava de alguém que tinha os mesmos princípios, dores e angústias que ele. Sentiu de início uma afeição enorme por ela. Não que ela fosse parecida com alguém dque ele conhecesse, mas entendeu logo de cara os sentimentos que Ana trazia consigo, mesmo os mais profundos.
Após alguns minutos tentando reanimar Ana, e sem sucesso, ela repentinamente pisca os olhos e os abre lentamente, deixando a luz entrar aos poucos à sua visão, e voltando à si.
Tia Ana! - exclamou Adrian. - Que bom que você está bem! Fiquei tão preocupado! Pensei que aquele monstro tivesse machucado você! - falou Adrian.
Oh... Adrian? Meu pequeno! - Ana tentou levantar-se do colo do menino, mas por fazer isto muito depressa acabou ficando tonta.. mas não desistiu e agora, com mais calma, pôs-se de joelhos à frente dele, admirando o pequeno rosto angelical e infantil de Adrian. “Um rosto que me traz conforto”, ela pensou.
O pequeno hollow a auxiliou a levantar-se do chão, colocando-se por baixo de seus braços, apoiando-os nos seus ombros, dando suporte para Ana pôr-se de pé.
Oh, obrigada querido.. Acho que se você não estivesse aqui, eu não me esforçaria tanto para viver... - falou Ana.
Mas por quê tia? Por quê iria morrer? - perguntou Adrian, preocupado.
Bem, meu desejo de viver voltou quando você veio até mim. Até então, eu não tinha uma razão para viver.. tenho lembranças dolorosas, que me atormentam nos momentos mais inoportunos...
Não sei que tipo de sofrimento você teve, tia Ana, mas saiba que estarei sempre aqui para ajudá-la ou confortá-la, se a ocasião pedir... - falou Adrian.
Eu sei, querido. Mas você é apenas uma criança, não sabe dos sofrimentos do mundo adulto.. - falou Ana, agora apoiando-se em uma espécie de arbusto do deserto, presente na imensidão de areia branca e fina.

Ana sentou-se na areia, pensativa, observando que Adrian calou-se após sua última afirmação.

O que houve Adrian? Por quê te calastes repentinamente? - perguntou Ana.
Bem, tia, é que você falou algo que me magoou. - respondeu Adrian.
O que foi? - perguntou Ana.
Você disse que não sei dos sentimentos do mundo adulto. - ele respondeu.
Mas e você sabe? És uma criança! - exclamou ela.
Posso ser só uma criança mesmo, mas já sei a dor da perda, da violência; já presenciei coisas que você não imaginaria, e tive um sofrimento tão intenso que acabei falecendo disto. Sim, lembro-me de antes daqui.. eu vivia em outro lugar.. com minha família.. então acabei sendo separado deles, numa ocasião terrível... - respondeu ele.
Ana refletiu alguns instantes com o silêncio sobre a afirmação de Adrian. Ela também tinha lembranças dolorosas, mas não se lembrava de um outro lugar, além deste. No entanto, ficaria feliz de saber que existe um lugar melhor para viver.
É mesmo Adrian? Me desculpe. Às vezes sou egoísta demais com meus pensamentos. - ela respondeu.
Tudo bem tia. - Adrian falou, sentando-se ao lado dela na areia branca e fina.
E agora, tia, o que faremos? Estou faminto, mas não vejo nada comestível por aqui. Também não quero fazer o mesmo que aquele estranho tentou fazer conosco.. nos comer... - um Adrian assustado pronunciou aquelas palavras.
Não se preocupe querido.. Vou me restabelecer melhor e então vamos pensar em algo. - ela respondeu.

Para um espectador de Ana, notei que ela parecia mais consciente neste dia. Não teve lapsos de memória, sua fala era constante e dinâmica e se apresentava mais afável com o garoto. Estranhei, a princípio, já que venho observando-a desde o seu primeiro momento aqui no Hueco Mundo. De uma louca assassina, Ana tornou-se uma “gentil mamãe” de Adrian. Aquela figura inocente atrapalharia meus planos. Mas, mesmo assim, decidi me apresentar à dupla, que estavam sentados na areia, fazendo planos e pequenos desenhos.
Olá! - falei. - Não tenham medo! Sou um alguém que é solitário como vocês.. e que procura companhia...
Ana prontamente pulou ao meu lado, segurando a espada em meu pescoço; aquele objeto era tão afiado que cantava com o passar do vento por entre a lâmina; Ana o havia colocado tão perto de mim que minhas veias pulsavam de medo.
Quem é você forasteiro? E como posso saber que não é um maldito canibal? Já tive experiências anteriores nada positivas.. - Ana perguntou, raivosa, quase espumando pela boca.
Acalme-se, jovem senhorita. Falo a verdade quando digo que procuro uma companhia. Este deserto é tão mortal quanto solitário e venho caminhando sozinho por ele há anos... - falei, cuidadosamente, tendo a preocupação de não falar palavras semelhantes a “comer”, “fome” e “alimento”. Mas, neste instante, percebi que a jogada de mestre seria mencionar uma família que eu lembrava, e que eu sofria muito com estas lembranças. Resolvi por este plano em prática.
Não quero saber! Adrian e eu estamos bem.. não precisamos de ninguém conosco! - gritou Ana. - Saia já daqui! - gritou novamente.
Enquanto Ana tentava me expulsar, o pequeno Adrian escondia-se atrás do arbusto em que Ana havia se apoiado anteriormente. Ele parecia estar com medo... de mim e dela...
Por favor, senhorita.. minha família já foi tirada de mim, tenho lembranças dolorosas como facas adentrando meu peito.. deixe-me ficar aqui! Não suportarei outro período de solidão extrema... Você pode me vigiar todo o tempo que achar necessário! Não carrego armas nem alimento... mas tenho água comigo.. - falei, quase derramando umas poucas lágrimas e com cara de sofrimento.
Ana me observou um pouco. Pediu para me “revistar” e constatou que eu falava a verdade. Viu que eu carregava uma garrafa com água e puxou-a para si, bebendo rapidamente quase todo o líquido.
Adrian, você quer água? Deves estar com sede.. tome! - ela entregou a garrafa para ele.
Sim, hum... - e Adrian bebeu o líquido restante.
Você sabe onde conseguir mais, forasteiro? - perguntou Ana, já mais calma.
Sei sim. Se quiser, levo-a até o local. - me prontifiquei.
Ainda não... Vamos conhecer você primeiro. - ela afirmou.
Tudo bem. Meu nome é Ferdinand. Minha descendência antes daqui me é desconhecida, já que lembro apenas alguns fatos. Estou andando por aqui já fazem anos.
Como você sobreviveu aos ataques dos monstros? - ela perguntou.
Bem, sei lutar bem no corpo-a-corpo. Mas, monstros? Os chamamos de hollows. Aliás, todos nós somos hollows. O Hueco Mundo é a nossa nova casa. - falei.
Somos iguais a eles? - ela perguntou – Você mente! - ela gritou.
Não minto. Olhe, nossa aparência pode mudar de um hollow para outro, mas na essência, somos todos seres vazios do grande mundo de areia. - falei.
Não entendo.. - Ana parecia confusa – Estamos todos juntos? Somos todos a mesma coisa? Eles são assassinos! - ela exclamou.
E você não é? - ironizei - . Encontrei alguns corpos no caminho. Vais me dizer que foi o pequeno alí que os matou? - continuei ironizando.
Não, fui eu.. mas não me lembro ao certo.. Isto é terrível.. mas, Ferdinand certo? Por enquanto vou vigiá-lo, mas podes ficar conosco. Um grupo de três é mais forte do que um de dois. - ela respondeu.
Fico grato – falei.

[Continua]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Tixa
Administrador | Shinigami
Administrador | Shinigami
avatar

Mensagens : 312
Idade : 25
Localização : Garvancity - Somewhere in Earth
Missões realizadas :
3 / 1003 / 100
Data de inscrição : 26/06/2009

Ficha de Personagem
Nome: Takeda Haruka
Disponibilidade:
Yen: 265

MensagemAssunto: Re: Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.   Qui Fev 24, 2011 8:10 am

Já tinha saudades dos teus textos Bru. ^^

Esse Ferdinand não me cheira...

Aguardo pelo próximo filler. ;D

_________________
Visita!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Snow Leopard
Administrador | Shinigami Daikou
Administrador | Shinigami Daikou
avatar

Mensagens : 433
Idade : 26
Localização : Pechão, Olhão, Algarve.
Missões realizadas :
0 / 1000 / 100
Data de inscrição : 22/01/2010

Ficha de Personagem
Nome: Yǒng Gǎn
Disponibilidade: Não sei o que é isto, mas se precisarem de mim, é só dispôr :P
Yen: 0

MensagemAssunto: Re: Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.   Qui Fev 24, 2011 11:51 am

Gostei muito de teres trocado o discurso e teres posto esse Ferdinand a narrar. Ficou muito fixe! Espero pelo próximo ^^

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.bleachportugalrpg.com/forum.htm
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Predator Hunt [Part 2] – A chegada do forasteiro.
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» The Last Part
» [Tutorial] Guia de Hunts - Hunt Guide
» OVA Reviravoltas Part.1 (Visão do Brian)
» Hunt sudowoodo
» Θ Forja Pio Θ

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Bleach Portugal RPG :: Hueco Mundo :: Fillers-
Ir para: